Escolas têm que identificar crianças de 5 a 11 anos sem a 2ª dose contra Covid

Imagem - Divulgação

A sugestão é da Procuradoria Geral e Justiça do Estado de Jogos De Caça-níquel; muitas tomaram a 1ª dose e não voltaram

A Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) está sugerindo que a Secretaria Educação faça uma busca ativa nas escolas da rede municipal de ensino para identificar as crianças entre 5 e 11 anos que não se imunizaram contra a Covid 19 ou que não tomaram a 2ª dose. Segundo o comunicado da PGJ, esse grupo está com baixa cobertura vacinal. Parte dele, tomou apenas a 1ª dose e não e não voltou para tomar a segunda e deve ser encaminhada para os postos de vacinação.

Em todo o estado, 87,83% de todos os grupos estão com o esquema de imunização completo, enquanto as crianças de 5 a 11 anos apenas 83,70%. Em Rio Preto, a situação é ainda mais preocupante. Apenas 82,55% (28.862) das crianças desse grupo tomaram a primeira dose e 56,12% (19.623) a segunda. Sobre a orientação da PGJ, a assessoria de imprensa diz que “a Prefeitura de Rio Preto está adotando as providências para identificar as crianças que ainda não foram vacinadas”.

A Procuradoria e o Centro de Apoio Operacional de Direitos Humanos e Direitos Sociais dizem que essa medida se deve a elevação dos novos casos no estado e à recomendação é da Secretaria Estadual de Saúde e do próprio Comitê de Enfrentamento da Covid da PGJ e de seu grupo de trabalho, formado por 15 promotores de 15 diferentes regiões do estado. Em Rio Preto, o promotor regional e local de Saúde é Gilberto Menzello Romani.

A Procuradoria pede ainda que crianças e jovens com até 18 anos apresentem a carteira de vacinação. Ela lembra que a 37ª atualização do Documento Técnico do Centro de Vigilância Epidemiológica Estadual, mostra que “a cobertura vacinal de crianças de 5 a 11 anos ainda não alcançou a meta proposta”. E que o uso das máscaras retornou após decisão de estado e municípios.

Da REPORTAGEM.