O que você faz para estimular seu cérebro?

A aposentada Cris Falsoni diz que se orgulha por estar em forma prestes a completar 71 anos

Especialistas enfatizam que estimular o cérebro com atividades diversas é fundamental. Para Juliano Barberato, médico geriatra da “Bem-Estar Bem” Casa de Repouso de Rio Preto, não é somente o corpo que necessita de atividades físicas, mas também fazer com que o cérebro esteja em “movimento” é essencial.

“Ler, fazer palavras cruzadas, aprender novos idiomas, aprender outras coisas como costura, bordado ou cozinhar ajudam a estimular o cérebro”, orienta.

Barberato acrescenta que mesmo na terceira idade é possível aprender coisas diferentes, respeitando a capacidade cognitiva de cada idade. “Temos visto muitos idosos aprendendo a usar os recursos do celular, essa é uma grande ferramenta de estímulo”, pontua.

O geriatra, Dr Juliano Barberatto explica que, nos dias de hoje aprender as ferramentas do celular é uma boa forma de estimular o cérebro

Ainda de acordo com o geriatra, estímulos cognitivos podem reduzir o risco ou postergar o aparecimento de condições como Alzheimer e demência por lesões vasculares, além de ajudar na prevenção de depressão, câncer e AVC (Acidente Vascular Cerebral). “A capacidade de plasticidade cerebral é mantida em todas as idades, mesmo que de maneira menos intensa com o envelhecimento cerebral”, diz.

Maria Cristina Falsoni, 70 anos, esbanja autonomia e diz que pensa em fazer um curso de tecnologia e que ser vaidosa é algo que a estimula. “Meu vício é aprender coisas novas. Amo ler, dançar, caminhar, dirigir, assistir filmes e cuidar de mim. Sempre com minha saúde à frente de qualquer coisa. Não espero que algo se agrave para procurar um médico. Dormir bem e tomar muita água são as minhas prioridades.”, garante.

Daniela MANZANI

Cris conta que, se arrumar antes dos afazeres domésticos é algo que pratica todos os dias e que faz muito bem